"A grandiosa Revolução Humana de uma única pessoa irá um dia impulsionar a mudança total do destino de um país e além disso, será capaz de transformar o destino de toda a humanidade."

ѵıѵα! ! ! ! α sgı 80 αησs ѵıѵα ! ! ! α вsgı 50 αησs ∂є яєαłızαçõєs,αѵαηçσ є sυcєssσ
ѵıѵα!!! sєηsєy

sgi

Loading...

Postagens populares

sexta-feira, 12 de março de 2010

16 de Março dia do Kossen Rufu


Jossei Toda. O MESTRE

No dia 16 de março de 1958, estava prevista uma visita do primeiro-ministro do Japão a um prédio recém-inaugurado do Templo Principal Taissekiji. Na ocasião, o segundo presidente da Soka Gakkai, Jossei Toda, visualizou uma grande oportunidade para reunir os jovens e realizar uma cerimônia que demonstrasse o aspecto do dia em que o Kossen-rufu fosse realizado.

Após seu mestre Tsunessaburo Makiguti falecer na prisão, em 18 de novembro de 1944, Toda levantou-se só sobre o campo devastado pela guerra. Treze anos se passaram desde então. Toda sentia que aquela seria sua última oportunidade para treinar os jovens, desejando profundamente que eles herdassem a missão do movimento pelo Kossen-rufu.

O comunicado sobre a celebração chegou aos jovens de maneira repentina. Aqueles que receberam a notícia sobre a atividade por terceiros não conseguiram compreender de imediato seu intento. Contudo, sabendo que o mestre Toda não se encontrava em perfeito estado de saúde, e que ansiava reunir-se com os membros da Divisão dos Jovens, sentiam que um evento significativo estava para acontecer. Mesmo em meio a diversos afazeres, poder participar de uma cerimônia formal liderada pelo mestre era uma honra e satisfação inigualáveis. Por isso, todos procuraram conciliar seus afazeres para estar junto a Toda.

Acompanhando todos os passos de Toda, Daisaku Ikeda percebia que, com o passar dos dias, o ânimo de seu mestre não se alterava. Porém, via o enfraquecimento de seu corpo. Ikeda empenhava-se ao máximo nos preparativos para a cerimônia do dia 16 de março, considerando todas as vontades de seu mestre.

Inspirado num romance chinês em que Shokatsu Komei comandou a famosa batalha de Gojoguen sobre uma liteira, Ikeda solicitou a alguns jovens que planejassem e construíssem algo semelhante para transportar o presidente Toda. Esse empreendimento foi realizado com muita dedicação e empenho. Porém, quando Toda viu a liteira, disse:

— É muito grande. Não é apropriada para uma verdadeira batalha!1

As palavras rigorosas demonstravam a seriedade com que desejava treinar os jovens em todas as oportunidades. Toda queria ensinar a importância de todos os planos e estratégias estarem sempre intimamente atrelados à realidade. No dia 16, tocado pela sinceridade de seus discípulos, ele concordou em subir na liteira e dali conduziu a reunião com toda a dignidade.


Jossei Toda prezava tanto os jovens que pensava minuciosamente nas providências que deveria tomar para recebê-los da melhor forma possível: “O frio ainda deve permanecer nessa época e, com certeza, eles chegarão com o estômago vazio. Por essa razão, quero oferecer algo quente para comerem. Estive pensando no que seria melhor. Acho que uma sopa de leitão seria ideal. A sopa bem quente, saindo vapor, aquecerá e nutrirá o corpo dos jovens.”2 No dia da cerimônia, o primeiro-ministro ligou cancelando o compromisso. Alguém o havia dissuadido a não participar. Foi uma decepção para Toda. Indignado, e expressando o sentimento de profundo carinho por seus queridos discípulos, perguntou à autoridade: “O senhor vai quebrar a promessa que fez a todos esses jovens?” Demonstrando respeito e consideração, a autoridade enviou uma comitiva para representá-lo.

Preocupando-se com o elogio e a censura, muitas pessoas se deixam influenciar pelos caprichos da opinião pública e agem visando aos próprios interesses. Toda conhecia muito bem a natureza dos políticos. Em seu íntimo, o que mais o preocupava era se os jovens herdariam fielmente o legado do Kossen-rufu. Dessa forma, bradou: “Mesmo que o primeiro-ministro não venha, vamos realizar a cerimônia conforme programada, recepcionando festivamente a comitiva. Não haverá nenhuma mudança no plano de fazer desse acontecimento uma cerimônia que simulará a celebração do estabelecimento do Kossen-rufu. Eu quero encorajar todos com o máximo de minhas forças.”3

No dia 16 de março, aproximadamente seis mil jovens se reuniram. Ainda estava escuro quando os primeiros participantes começaram a chegar. Ao saberem da sopa oferecida por Toda, ficaram profundamente comovidos com o carinho e a sinceridade do mestre. Vindos de todas as partes do Japão, eles se confraternizavam, celebrando, com muita emoção, aquele histórico dia.

Os jovens que formavam aquela multidão vestiam-se humildemente, alguns trajavam uniformes escolares. Eram pessoas comuns que desafiavam as rigorosas circunstâncias do dia-a-dia. Porém, orgulhosos de serem discípulos de Toda, seus olhos brilhavam intensamente.

Sentado sobre a liteira, Toda observava os jovens. Sentindo profunda emoção ao perceber o quanto eles haviam se desenvolvido, pensou consigo: “Vocês são realmente extraordinários. Lamento muito que o primeiro-ministro não tenha comparecido, mas estou muito feliz em tê-los encontrado. Provavelmente esta será a última vez que eu estarei com vocês. Depois que eu partir, vocês darão prosseguimento à luta.”4


A CERIMÔNIA
Jossei Toda prezava tanto os jovens que pensava minuciosamente nas providências que deveria tomar para recebê-los da melhor forma possível: “O frio ainda deve permanecer nessa época e, com certeza, eles chegarão com o estômago vazio. Por essa razão, quero oferecer algo quente para comerem. Estive pensando no que seria melhor. Acho que uma sopa de leitão seria ideal. A sopa bem quente, saindo vapor, aquecerá e nutrirá o corpo dos jovens.”2 No dia da cerimônia, o primeiro-ministro ligou cancelando o compromisso. Alguém o havia dissuadido a não participar. Foi uma decepção para Toda. Indignado, e expressando o sentimento de profundo carinho por seus queridos discípulos, perguntou à autoridade: “O senhor vai quebrar a promessa que fez a todos esses jovens?” Demonstrando respeito e consideração, a autoridade enviou uma comitiva para representá-lo.

Preocupando-se com o elogio e a censura, muitas pessoas se deixam influenciar pelos caprichos da opinião pública e agem visando aos próprios interesses. Toda conhecia muito bem a natureza dos políticos. Em seu íntimo, o que mais o preocupava era se os jovens herdariam fielmente o legado do Kossen-rufu. Dessa forma, bradou: “Mesmo que o primeiro-ministro não venha, vamos realizar a cerimônia conforme programada, recepcionando festivamente a comitiva. Não haverá nenhuma mudança no plano de fazer desse acontecimento uma cerimônia que simulará a celebração do estabelecimento do Kossen-rufu. Eu quero encorajar todos com o máximo de minhas forças.”3

No dia 16 de março, aproximadamente seis mil jovens se reuniram. Ainda estava escuro quando os primeiros participantes começaram a chegar. Ao saberem da sopa oferecida por Toda, ficaram profundamente comovidos com o carinho e a sinceridade do mestre. Vindos de todas as partes do Japão, eles se confraternizavam, celebrando, com muita emoção, aquele histórico dia.

Os jovens que formavam aquela multidão vestiam-se humildemente, alguns trajavam uniformes escolares. Eram pessoas comuns que desafiavam as rigorosas circunstâncias do dia-a-dia. Porém, orgulhosos de serem discípulos de Toda, seus olhos brilhavam intensamente.

Sentado sobre a liteira, Toda observava os jovens. Sentindo profunda emoção ao perceber o quanto eles haviam se desenvolvido, pensou consigo: “Vocês são realmente extraordinários. Lamento muito que o primeiro-ministro não tenha comparecido, mas estou muito feliz em tê-los encontrado. Provavelmente esta será a última vez que eu estarei com vocês. Depois que eu partir, vocês darão prosseguimento à luta.”4


A CERIMÔNIA

Cerimônia do dia 16 de março de 1958. Em seu discurso, Toda disse: “Perante à Lei Mística, somos todos iguais. E, para que uma pessoa ou uma nação alcance a felicidade e a prosperidade, não há outra forma senão basear-se no Verdadeiro Budismo. Por isso, nós temos a missão de concretizar, custe o que custar, o Kossen-rufu. E é justamente essa missão que eu quero confiar a vocês no dia de hoje. Deixo o futuro em suas mãos. Conto com “A Soka Gakkai é a soberana do mundo religioso, por isso ela não teme a nada. Gostaria que vocês avançassem com toda coragem por este honroso caminho do Kossen-rufu como jovens e jamais se esquecessem que são sucessores da grandiosa Soka Gakkai.”5
Essas palavras eram um brado da vida de Toda. Uma profunda emoção tomou conta dos seis mil jovens, como se um raio tivesse atravessado o coração de cada um deles. Por alguns instantes, o ambiente foi tomado por um solene silêncio.

Dentro de seu coração, Toda falou para Makiguti:

“Mestre! Realizei todos os seus desejos. Estabeleci uma sólida base do Kossen-rufu para toda a eternidade. Neste momento, acabei de transferir todos os futuros empreendimentos para os meus amados discípulos. O seu testamento se transformou em sangue rubro que pulsa ardentemente no peito destes jovens. O dia em que a tocha da propagação da Lei Mística se expandirá para o mundo todo não está muito longe...”6

Naquele dia, o presidente Toda dirigiu-se aos jovens, dizendo que a Soka Gakkai é uma organização leiga que mantém a verdadeira linhagem do Budismo de Nitiren Daishonin e então refutou a crítica infundada disseminada pela imprensa, de que a Gakkai era uma das religiões novas que proliferaram em meio à confusão que acompanhou a Segunda Guerra Mundial. Estava determinado a fazer a aurora da propagação do budismo surgir pela primeira vez.

Por sua vez, o presidente Ikeda, plenamente ciente do profundo significado daquela ocasião, assumiu total responsabilidade pelo prosseguimento do Kossen-rufu: “Mestre, nós, discípulos, iremos realizar o Kossen-rufu com as nossas mãos, custe o que custar. Por favor, fique tranqüilo!”7

Foi um momento de perfeita harmonia. A emoção se transformou em decisão, que emergiu fortemente dentro do peito dos jovens. Naquele dia, no sopé do Monte Fuji, um novo estágio no avanço do Kossen-rufu teve início.

No dia 2 de abril do mesmo ano, o presidente Toda veio a falecer serenamente. Na ocasião, o presidente Ikeda, seu sucessor, reconfirmou seu juramento:

“Resistirei a todo tipo de críticas, lembrando–me de que meu venerado mestre certa vez encorajou um jovem pobre e sofrido a se tornar o que é hoje. Eu próprio tenho agora minha missão a cumprir. Continuarei a escrever, com lágrimas de gratidão, a história e os ideais de meu mestre.”8

É com esse mesmo espírito que 16 de março é celebrado todos os anos pelos jovens. A missão de cada um é assegurar que essa preciosa organização perdure em prol das pessoas comuns, estabelecendo um sólido alicerce que não seja derrubado por nada, como a ardente paixão de Nitiren Daishonin e dos três sucessivos presidentes da Soka Gakkai, que deram a vida em defesa do verdadeiro ensino, e da felicidade de toda a humanidade.

Decorridos 48 anos, a cerimônia de 16 de Março prossegue ainda hoje. Isto porque a chama da missão, a paixão dos jovens pelo Kossen-rufu continua ardendo intensamente. Enquanto essa chama se mantiver acesa, alimentada pelo juramento firmado ao mestre, ela continuará a existir.